EcoBiocarvão quimicamente ativado: um inusitado material para o desenvolvimento de sensores eletroquímicos

 

Em nosso dia a dia nos deparamos frequentemente com informações sobre a composição de diversas coisas. É muito comum recorrer a exames laboratoriais para verificar, por exemplo, os níveis de glicose, colesterol, ureia e ácido úrico presentes em amostras de sangue ou urina. Essas análises, muitas vezes, levam ao diagnóstico de alguma condição que permite aos profissionais de saúde a escolha de abordagens de tratamento. Informações associadas à composição química de amostras são de grande importância para uma infinidade de decisões nas mais distintas áreas, como de alimentos, no controle de qualidade de produtos comerciais, no meio ambiente, em processos industriais, entre outros.

 

Muitas dessas amostras são analisadas empregando procedimentos laboratoriais que, frequentemente, demandam estratégias laboriosas e demoradas, além de equipamentos e insumos de elevado custo. Uma alternativa aos procedimentos convencionais para determinação de diversos compostos químicos é o uso de sensores químicos. Quando comparados, sensores químicos são dispositivos mais baratos que fornecem respostas mais rápidas, podem ser portáteis e empregados diretamente nas amostras a serem analisadas.

 

O EcoBiocarvão é um material carbonáceo, sustentável e de baixo custo, que vem se destacando nos últimos anos, principalmente para fins agrícolas. O termo EcoBiocarvão é a união das palavras em inglês biomass (biomassa) e charcoal (carvão), e identifica um biocarvão obtido pela pirólise (queima) de biomassa de origem animal ou vegetal, em baixas quantidades ou ausência de oxigênio. O processo de obtenção é semelhante ao utilizado para a produção de carvão vegetal. Inicialmente, o EcoBiocarvão foi produzido para aplicações em remediação de solo, fertilizante ou no sequestro de carbono. Em alguns casos, como após a adsorção de contaminantes contendo nitrogênio e fósforo (NP), o EcoBiocarvão pode ser reutilizado como fertilizante, promovendo a melhora do solo e dando continuidade ao seu ciclo de produção e aplicação. A aplicação de biochar em solos surgiu a partir de estudos realizados em solo amazônico altamente fértil e escuro, conhecido como “Terra Preta de Índios”. A partir dos anos 2000, pesquisadores começaram a investigar a produção de um material similar a essas “Terras”, o que deu origem ao EcoBiocarvão.

 

 

 

- Fonte: quimica.ufpr.br




1
Fale Conosco